Meu Brinquedo Preferido – versão “zine” à venda!

a

Olá Rolistas!

Finalmente, após 3 anos em stand by, o Meu Brinquedo Preferido encontrou seu caminho para fora da gaveta. Através da minha página do Patreon, consegui dedicar o tempo necessário para finalizar este projeto.

Acontece que após a publicação tanto do PDF em sua versão prototípica finalizada, quanto do processo de confecção da versão física como recompensa para os Mecenas através de uma encadernação artesanal especial, muita gente andou me procurando para saber como conseguir uma cópia. Decidi então disponibilizar uma versão simplificada à venda. O principal propósito do post é descrever e esclarecer as particularidades desta versão “Zine”, além de apontar onde ela se difere da versão do Patreon, para que não haja dúvidas caso você deseje adquirir uma cópia.

Processo Artesanal: Como o próprio nome já diz, a pegada aqui é produzir o livro em um formato de Zine. É uma produção caseira, artesanal, mais punk, bruta, crua, rudimentar… Costurada à mão, no melhor estilo D.I.Y (Faça você mesmo). Desde que tomei conhecimento da produção dos AshCans na cena Indie gringa, há alguns anos atrás, procurei meios de incorporar estes conceitos na minha produção. Esse projeto realiza este desejo, que aliado à plataforma do Patreon, permite que eu explore diversas formas experimentais de produção.

A primeira diferença está na impressão em Preto & Branco seguida da capa em papel cartão azul. Na versão do Patreon, o miolo é colorido e a capa é dura, em Papel Holler. O miolo é feito com o papel “Creative Paper” da Foroni, com oito cores aleatórias e sortidas. Capa e Miolo são unidos com linha encerada azul, através da costura “Saddle Stich”.

Custos, preços e Prazos: O valor final cobrado inclui os custos do material, o tempo de dedicação na criação do jogo, na diagramação, na impressão e confecção manual do livro. Ela carrega um valor agregado de autenticidade e individualidade em cada unidade do livro, uma vez que a arte da capa é produzida com a imagem e os textos carimbados sobre a superfície do papel, conferindo um charme pela própria “imperfeição” do processo. Soma-se a isso, a intervenção posterior que faço sobre a ilustração, com pinceladas de aquarela azul em cada livro.

Para que a execução desta tarefa seja possível, eu precisarei trabalhar com baixas tiragens. Algo entre 10 a 15 unidades por tiragem. Comento isto pois cada unidade será autenticada com numeração, assinatura e carimbo. A ordem dos pedidos respeitará a numeração das tiragens. As tiragens poderão ter características diferentes entre si, à medida que eu desejar explorar possibilidades de acabamento, material, etc., mas elas sempre terão o mesmo preço, e eu sempre apontarei onde elas se diferem. Por uma questão de sanidade, não haverá como aceitar pedidos de reserva. Além disso, eu peço um prazo máximo de 15 dias para o envio das cópias, uma vez que leva um tempo bom para produzí-las.

Pagamento: a princípio pensei em utilizar o método rudimentar de pagamento através de depósito bancário, mas depois de uma leve pesquisa, acredito que o PayPal seja o método com o melhor custo benefício para todo mundo.

Toque Final: Vale lembrar que o produto final tem uma qualidade artesanal. Então se você curte apoiar umas paradas mais hippies, uma produção punk caseira, feita à mão de forma hipster e carinhosa, comprando direto com o autor, você vai adorar o resultado. Mas se você espera um produto de alto luxo, em papel couchè brilhante, verniz localizado e hotstamp, provavelmente esta (ainda…) não é a versão para você, e provavelmente vai se decepcionar.
Por fim, saiba que seu interesse é mais um caminho para apoiar a minha produção como um todo. Mesmo que você não tenha como/não se interesse por me apoiar no Patreon, esta é uma ótima alternativa pontual de suporte.

E eu sou só gratidão!

=D

Adquira a sua cópia do Meu Brinquedo Preferido versão “Zine” aqui! 

Anúncios

ViolentinA e o Incentivo Coletivo

ou: Um Modelo Punk de Plano de Negócios

Estudo de arte interna com cor

O Maravilhoso Mundo da Internet tem começado a mostrar nos últimos tempos, a ponta do iceberg das verdadeiras potencialidades infinitas que tanto dela se espera. Uma destas possibilidades, e que mais bem vem a calhar para nós rolistas – principalmente aqueles que produzem algo independentemente – são os sites de Incentivo Coletivo (ou Crowd Funding).

Você já deve ter ouvido falar. Se não… Googla aí!

O grande barato aqui, é que no meu ponto de vista, o incentivo coletivo cai com uma luva pra quem tem uma ótima idéia prum jogo, mas não tem o capital inicial para tirar do bolso e arriscar num produto que não se sabe ao certo no que vai dar, ou como o público vai receber a ideia. O Crowd Funding mata todos os Orcs como uma Bola-de-Fogo só: Você descobre se o público compra a ideia do seu projeto, ao mesmo tempo em que você já os presenteia com seu produto. Incentivo e retorno quase imediato, sem que ninguém corra maiores risco com isso. Se você não conseguir alcançar o valor mínimo de Meta, você não recebe nada – mas não perde nada! E o pessoal que chegou a colaborar, recebe o dinheiro de volta. Fino…

Caso contrário, eles recebem um monte de produto legal que antes nunca sairia do papel e você bota teu jogo no mundo.

Obviamente não é só colocar a ideia na rede e esperar de braços cruzados. Existe algumas estratégias que potencializam o projeto dar certo. Uma delas a gente já vem aprendendo há um tempo, com alguns exemplos de sucesso, como o Old Dragon e Busca Final: Criar uma comunidade mínima interessada, antes mesmo de ter o produto final pronto.

Os gringos já aprenderam a tirar proveito da bagaça toda, e lá fora temos os belos exemplos do bem sucedido Do: Pilgrims of the Flying Temple, do Daniel Solis e do que eu tenho mais me empolgado recentemente, TechNoir do Jeremy Keller. Isso nos EUA. Na Europa a galera tem usado o IndieGOGO, que sugiro como exemplo o Graham Walmsley, com Stealing Cthulhu. Além disso tem muuuiitos outros projetos bacanas nestes sites. É só dar uma vasculhada.

Já aqui no Brasil, temos felizmente hoje em dia o movere.me e o catarse

O Grande Barato são as Recompensas

As Recompensas são o medidor de o quanto o Incentivador quer ver o projeto dar certo – e claro, isso também considerando o quanto ele pode pagar! Nesse sentido, o Movere.me se torna mais interessante, pois o valor mínimo de incentivo que se pode pedir é de apenas R$5,00 – em relação ao Catarse, que é de R$10,00 – e um PDF de recompensa por R$5,00 de contribuição é perfeito e se encaixa perfeitamente resolvendo majestosamente toda a discussão atual sobre publicação digital de RPG…

Um lance legal das Recompensas, é que elas incentivam o criador a bolar presentes, acessórios e apetrechos interessantes para o jogo, que provavelmente se dependessem do crivo de uma editora, seriam vistos como não comercializáveis, sem apelo comercial. Dessa forma, alguns conceitos de Design bem bacanas tem surgido, incorporados intimamente ao jogo. Vide o Do:… por exemplo.

Outro lance legal, é que muitos Designers de Jogos que utilizam o Incentivo Coletivo, tem recompensado seus incentivadores mencionando-os individualmente no livro. É uma via de mão dupla muito interessante. Ele deixa claro e exposto impresso no livro, que você foi peça fundamental para que o jogo dele fosse publicado. Graças a você! E pelo outro lado, imagine-se com o livro na mão, jogando-o com seu grupo de jogo, e teu nome tá lá, como alguém que o ajudou virar realidade.

É algo genial, e só possibilitado por esse tipo de modelo de financiamento! Uma bela evidência de que aquilo no final das contas, é uma criação coletiva, pertencente a todos.

Mas e o ViolentinA?

Estudo de capa

Pensando nisso tudo, é interessante notar que ainda nós rolistas tupiniquins ainda não tenhamos tirado proveito destas ferramentas – pelo menos eu ainda não ouvi falar de nenhum. Se você conhecer, por favor me mande um link!.

Portanto, já tem um tempo que eu estou remoendo e estudando a possibilidade de lançar o ViolentinA desta forma. Meu intuito neste post é compartilhar este interesse com a comunidade, bem como avaliar a opinião de vocês quanto as minhas ideias iniciais.

Ainda não tenho orçado todos os valores, portanto a listas de possíveis Recompensas a seguir é apenas especulativa. Vale lembrar que cada recompensa mais abaixo, contempla todas as anteriores.

  • R$5,00 – O Livro em PDF
  • R$10,00 – [tudo acima] + O nome do colaborador na Lista de Alcunhas sugeridas no interior do livro
  • R$20,00 – [tudo acima] + Livro no formato A5, PB em capa mole
  • R$25,00 – [tudo acima] + Encarte no formato A3, com todos os Gabaritos do Jogo (em breve postarei sobre o seu uso.)
  • R$30,00 – [tudo acima] + Livreto no formato A5 contento 3 novos Gabaritos de Trama
  • R$45,00 – [tudo acima] + Camiseta Personalizada com a logo ViolentinA
  • R$70,00 – [tudo acima] + Par de Baralhos Personalizados
  • R$100,00 – [tudo acima] + Caixa completa c/ 25 Tokens de Grana especiais

Estudo do encarte A3 com Gabarito de Clichê e de Sinopse

Como já dito, estes valores podem variar muito. Eles servem apenas para ilustrar o potencial das recompensas escalonadas.

Num próximo post, descreverei melhor de que se trata cada Recompensa, inclusive com protótipos e rascunhos para melhor ilustrar como virão a ser.

Estudo do encarte A3 com Gabarito de Ação

Do It Yourself! Divisória Genérica Definitiva do Mestre

Olá Rolistas!

Inicio as postagens neste blog com uma sugestão que julgo no mínimo interessante, para àqueles Mestres e Narradores que gostam de se apropriar das qualidades de seu tradicional Escudo do Mestre.

Meu intuito é dividir esta idéia com vocês e inspirá-los a quem sabe fazer as suas próprias Divisórias Genéricas Definitivas do Mestre!

Ingredientes:

  • Criatividade
  • Papel Percalux (125cm x 25cm)
  • 4 placas de Papel Calandrado (29,7cm x 21cm)
  • 4 folhas de Papel Texturizado a sua escolha (19cm x 27,7cm)
  • 16 cantoneiras auto-adesivas de álbum de fotografia
  • papel de rascunho (para conter o excesso de cola – eu uso uma lista telefônica velha, mas pode ser jornal =])
  • Estilete
  • Cola branca
  • Régua metálica
  • Pincel (tipo trincha)
  • Dobrador (tipo uma espátula)
  • Paciência

Compartilho então minha primeira tentativa em unir meus dois hobbies favoritos (RPG e encadernação de livros) para criar uma Divisória do Mestre elegante e funcional, para que sirva a qualquer jogo e propósito que o Mestre precisar.

O objetivo era criar uma Divisória que suportasse qualquer tabela que eu venha precisar para meus jogos, qualquer mapa, qualquer handout e demais informações que eu possa inventar, copiar, baixar, confeccionar ou fazer eu mesmo, num Photoshop ou Excel da vida.

Se você narra uma campanha, por exemplo, você pode ocupar somente duas abas  com tabelas rotineiras, e deixar as outras duas livres para anexar informações específicas de cada sessão.

A encadernação em Percalux é impermeável, de forma que você pode colar post-its e fitas adesivas a vontade em seu exterior [colando imagens inspiradoras para a sessão, quem sabe..?) e depois  limpá-las com um pano úmido.

Neste exemplo, eu confeccionei a Divisória o mais neutra possível, para não fazer referência a nenhum jogo específico, mas caso você deseje e tenha um pouco de criatividade, você pode customizar a sua a vontade (estou planejando fazer uma SteamPunk bem elaborada!).

Assim ela se torna  ideal para Mestrar em encontros, ou se você não mestra em casa, pela praticidade, se tornando quase uma pasta em que você pode levar somente a papelada necessária pro jogo no dia.

RPG de exemplo:

Onírica do Vitor Pissaia, jogo participante do Concurso Faça Você Mesmo de Criação de Jogos do pessoal da Secular Games, e que você pode conferir e comentar no Garagem RPG