Mais Jogos, Menos Tempo.


Olá Rolistas!

Já faz um tempo que não escrevo esta saudação!

=]

O lance é que estive envolvido em um monte de projetos pessoais e profissionais que me ocuparam bastante o tempo, e me privaram de atualizar os conteúdos que gostaria de partilhar sobre o hobbie.

Alguns de vocês podem já ter visto os dois novos videos do meu canal do youtube. Como dito lá, meu intuito este ano é juntar as duas mídias – vídeo e texto – e o que mais for útil, na produção de conteúdo. Portanto, os vídeos serão um canal de comunicação mais direta e atual, enquanto os textos aqui no blog servirão mais como uma forma de registro e documentação.

Existem muitos projetos. Muitos mesmo. E muita coisa mudou e evoluiu desde de que lançamos o Violentina. Inclusive a própria cena rolista lusofônica evidenciou o que já esperávamos: uma crescente produção de jogos, e jogo muitos bons.

Secular Games.

Uma parte da explosão de jogos novos legais surgindo foi a segunda edição do Concurso Faça Você Mesmo de Criação de Jogos da Secular. Este ano justamente pela falta de tempo, não pude participar com a criação, mas auxiliei um pouco sendo convidado para ser um dos jurados da segunda etapa. E que jogos bacanas eu avaliei! Um destes que merece destaque é o Indecifrável Mundo Novo, bela surpresa do camarada Matheus Funfas. Você pode conferir este jogo e os demais aqui. Vai lá que tem muita coisa boa! Vale o meu parabéns para todo mundo que participou – esse ano estava mais difícil ainda, com a inclusão de oito temas guias – e principalmente pros ganhadores, como o comparsa invicto John Bogéa com seu Mundo Perfeito, e Júlio Matos com o sensacional O Jogo.

Uma das novidades mais legais deste ano, foi o convite que Secular Games me fez para incorporar de forma definitiva à editora, da qual sempre fui super fã. Projetos beeem legais estão no forno pra sair da padaria punk da editora…

Mais jogos.

Outra boa coisa que tem rolado este ano é que estou conseguindo jogar com uma certa frequência. Ok, não tanto quanto gostaria e que acredito que seja saudavelmente possível, mas ainda assim de forma considerável. Temos testado alguns jogos nossos, algumas ideias iniciais de mecânicas e conceitos, e isso tem me deixado numa pilha boa. Meu desejo é de  conseguir tecer comentários sobre eles sempre que possível aqui.

Uma destas experiências que merece um post só pra si, foi o processo de criação de uma campanha pós-apocalíptica que meu grupo realizou. Só pra dar uma palhinha, o processo se deu em duas sessões distintas em que a primeira foi uma reunião no buteco, para decidirmos em conjunto que tipo de histórias gostaríamos de contar. Até este ponto, não sabíamos qual o sistema, quem seria narrador e muito menos o cenário. Durante algumas horas de debate regado à cerveja, nivelamos os interesses e as expectativas de cada um ao jogar RPG, bem como o que não aprecia ou discorda. Ao fim da noite, tínhamos um conceito de cenário com o dedo de todo mundo e uma vontade insana de explorá-lo.

Num segundo encontro, reservamos a oportunidade para desenvolver e estabelecermos aspectos do cenário e NPCs, amarrando-os ao final durante a criação de personagens. Neste instante, tudo sobre o universo de jogo até então era de conhecimento e de agrado de todos. Como sistema, optamos por utilizar como o base, o FATE, e como fiquei encarregado de Narrar a campanha, adequei o sistema ao máximo que ele permite às expectativas  e necessidades da premissa.

Foi uma experiência fantástica!

Quero Jogar RPG & o Clube de Jogos Sétima Armada.

Belo Horizonte está numa época estimulante. Não só está crescendo o número de pessoas com interesse crítico no hobbie, como se consolida cada vez mais os espaços para encontros dos entusiastas. O Sétima Armada firmou parceria com o Centro Cultural da UFMG, e agora todo domingo temos um ótimo espaço para jogar, conversar e se encontrar. Além disso, a parceria com o Quero Jogar RPG, só vem à acrescentar, pontuando mensalmente um encontro que já alcança o terceiro ano existência!

Estudos de Design & Teoria.

Boa parte do meu tempo livre eu tenho reservado para ler e escutar material sobre Game Design. Tem sido estimulante e quase chego a compará-lo à um processo de “graduação”. Desde que adquiri o excelente Rules of Play, minha perspectiva sobre as possibilidades no hobbie só tem se expandido geometricamente. A principal proposta do livro é firmar fundamentos e conceitos, para que o Design de  Jogos seja encarado como um campo de conhecimento específico. Portanto seus conceitos vão tender a dar parâmetros mínimos para um debate livre de equívocos conceituais. Digo isso, pois recentemente o Rocha do Área Cinza e da Secular, tacou fogo numa iniciativa deveras empolgante. Com um convite provocativo, chamou uma galera da produção nacional pra discutir Teoria HardCore. O local escolhido para isso, não poderia deixar de ser, o Garagem RPG.

Portanto, se você também têm interesse nesse assunto, não deixe de passar por lá.

Por hora, é isso.

Este post foi um processo auto imposto com o propósito de me disciplinar a manter uma periodicidade de publicação. Desta forma, percebe-se o quanto estou enferrujado. Foi um post meio sem assunto central, seguindo apenas o fluxo de consciência, com o propósito apenas de informar-lhes e registrar as novidades. Ah! E claro, estreiar o novo template!

Com o tempo, pego o hábito, e aperfeiçoo o método, assim como num processo de playtest…

😉

Abraços

Anúncios

Novidades sobre a Campanha de Financiamento Coletivo do Violentina

Secular Games anunciou durante a RPGCon 2011, realizada nos dias 9 e 10 de Julho, que seu próximo lançamento, o jogo Violentina de Eduardo Caetano, seria feito através do modelo de financiamento coletivo. Alguns dias se passaram enquanto fazíamos os últimos ajustes, e agora, com tudo pronto, é hora de darmos a largada nesta experiência!

Esperamos que o Violentina seja o primeiro jogo de RPG nacional lançado através de uma campanha de financiamento coletivo (e precisaremos de seu apoio para isso!). Mas o que é oViolentina, e que diabos é financiamento coletivo?

Violentina é um jogo sobre Violência, Vícios, Volúpia e Vingança desenfreados, onde os jogadores interpretam trapaceiros, mafiosos, femme fatales e autoridades corruptas em uma espécie de Colaboração Competitiva. Profundamente inspirado na estética e na narrativa dos filmes de Quentin Tarantino Guy RitchieVioletina utiliza um sistema baseado em cartas e fichas de poker afim de distribuir de forma equilibrada o controle narrativo entre os jogadores, transformando aspectos e características específicas deste tipo de filme em mecânicas de jogo. De acordo com esta proposta, Violentina é um Jogo de Contar Histórias sem mestre, sem preparo, sem ordem cronológica, baseado em enquadramentos de cena e na criatividade de todos os participantes.

Violentina vem sendo desenvolvido por Eduardo Caetano de maneira aberta – e a  versão mais atual do jogo pode ser baixada de graça – recebendo críticas e sugestões da comunidade, essenciais para o desenvolvimento do jogo. O lançamento através do financiamento coletivo é só mais um passo em seu processo de criação colaborativa e aberta!

E o que significa financiamento coletivo? Financiamento coletivo (ou crowdfunding) é o método de bancar um projeto através da contribuição antecipada daqueles interessados na iniciativa. Se o valor estipulado para a execução do projeto for alcançado, a parada acontece e todos os colaboradores recebem recompensas previamente combinadas de acordo com o seu nível de suporte. Se o valor não for alcançado, o projeto volta para a gaveta e nenhum colaborador é cobrado. Como um amigo nosso definiu muito bem, ao participar de uma iniciativa de financiamento coletivo, você se torna uma espécie de micro-sócio no projeto, contribuindo para sua execução, mas também recebendo coisas legais em troca caso ele realmente saia do papel (ou do site!) e se realize.

Bang!

A cada dia o financiamento coletivo se torna uma estratégia mais comum e eficiente para bancar projetos interessantes. Recentemente A Banda Mais Bonita da Cidadeconseguiu bancar a gravação de seu primeiro disco através do financiamento coletivo, e fora do Brasil vários jogos independentes tiveram campanhas decrowdfunding muito bem sucedidas, tais como o Do: Pilgrims of the Flying TempleTechnoir eStartup Fever só para citar alguns.

Queremos não só que o Violentina seja o primeiro jogo de RPG nacional lançado através do modelo de financiamento coletivo, mas também testar o formato e sua viabilidade do mercado nacional de jogos, abrindo portas para outras iniciativas independentes!

A campanha de financiamento coletivo do Violentina será feita no site Movere.me, e terá início no dia 01/08, próxima segunda-feira. A campanha terá a duração de 30 dias e tem como objetivo arrecadar R$1750,00 para a produção da tiragem inicial de 100 cópias do livro. Dentre as possibilidades de recompensa se encontram:

  • O download da versão final de em Violentina PDF.
  • A cópia impressa do livro autografado.
  • Par de baralhos exclusivos para o jogo.
  • Livreto impresso com 3 novas Tramas
  • Uma maleta super com uma versão do livro encadernada à mão e com todas as outras recompensas disponíveis e mais alguns itens exclusivos.

A contagem regressiva para o início da primeira campanha de financiamento coletivo para um RPG nacional começou! Se você quer ver esta iniciativa dar certo já pode contribuir antes mesmo do dia 1º de Agosto, divulgando este texto e a proposta para o maior número de pessoas que conseguir, espalhando o link para download da versão de playtest do Violentina, e nos enviando suas críticas e sugestões.

Façam suas apostas!

 

fonte:  Secular Games

[Violentina] Finalizada a Versão1.0

Olá  Rolistas!

Finalmente!

Violentina – Versão 1.0 de Rascunho [para playtetes] está pronto!

Portanto venho aqui compartilhar com vocês o arquivo em PDF através do Scribd, que permite tanto a leitura on line, quanto o download.
Muito de vocês que visitam e comentam aqui no blog contribuíram para este jogo, ou demonstraram algum interesse e portanto sou imensamente grato por isso.


Estamos a uma semana da RPGCon, era de meu maior interesse que conseguisse terminar o primeiro texto antes do evento. Dessa maneira, perceberão que ainda é um texto cru, sem revisão, sem arte. O principal objetivo neste momento é permitir que vocês tenham conhecimento do jogo, percebam do que se trata, e se vierem a gostar, me ajudarem a divulgá-lo.

Portanto espalhe-o, distribua-o, copie-o, piratei-o. Jogue-o. Hackeie-o. Ele está licenciado sob Creative Commons, uso não-comercial compartilhamento pela mesma licença. Portanto não há problemas nisso

Em breve, se tudo der certo, tenho o intuito de tentar lançar o projeto de publicação do jogo, angariando investimento através de um site de Incentivo Coletivo, o http://movere.me/
Até lá, ainda tem muito trabalho pela frente, falta ainda incluir nas próximas versões:

  • Gabarito de Sinopse
  • Ilustrações
  • Diagramas Explicativos para algumas regras
  • Pequenos Exemplos de jogo para ilustrar as Regras
  • Um exemplo de uma Sessão completa de jogo
  • Algumas Regras Avançadas e Opcionais
  • Exemplos de como criar Outros Cenários e Genêros
  • Completar a Lista de Alcunhas

Estarei atualizando qualquer informação sobre Violentina, em meu blog:
https://rolistaindependente.wordpress.com/
ou diretamente:
https://rolistaindependente.wordpress.com/jogos/violentina/

Você pode acompanhar este e outros jogos no Garagem RPG:
http://www.garagemrpg.com.br/

Por incrível que pareça, já recebi alguns toques sobre erros no texto, que foram valiosíssimos!

Valeu demais pela força galera!!!

=]

A origem da mecânica básica de Violentina

Olá Rolistas. Estou prestes a terminar a primeira versão de playtest de Violentina, que disponibilizarei aqui para download. Estava então neste final de semana a escrever alguns textos completares que quero incluir no livro, e acabei por perceber que seria legal dividir com vocês, o texto final que fecha o livro, onde conto como surgiram algumas das primeiras idéias para a mecânica básica do jogo. Como algumas idéias sempre estiveram lá no fundo da minha mente, latentes, esperando pra serem cuspidas pra fora, resultado inevitável de como eu sempre me comportei em relação ao hobbie. De como eu sempre o abordei. Bom, sem mais, as Últimas Palavras do livro:

… uma última palavra

Bom, além de todas estas referências anteriores, existe mais uma, menos específica, que eu gostaria de compartilhar com vocês, sem tomar muito mais do seu tempo, pois acredito que ela diz muito sobre o que eu penso sobre RPG’s, sobre o processo de concepção inicial e desenvolvimento de um jogo, sobre o lugar de onde nascem as inspirações, sobre como precisamos enxergar as coisas sob outras perspectivas – “thinking outside the box” – para que possamos contribuir significantemente para o nosso querido hobbie.

Comecei a jogar RPG em 1995, com 14 anos, quando morava no interior de Minas Gerais, em Varginha. E sei lá o porquê, decidi começar a jogar essa bagaça. Comprei o Tagmar e comecei a mestrar para alguns amigos. É meu jogo de fantasia favorito. Comecei assim, mestrando, achando que estava fazendo tudo errado. Essa primeira experiência se tornou uma campanha de dois anos. E durante estes dois anos conheci muita gente e muitos jogos, fiz muitos amigos e descobri que o que eu gosto mesmo é de mestrar. O grupo cresceu tanto que se tornou um projeto de live action do Brasil by Night. Éramos cerca de 50 pessoas, mais o pessoal que vinha sempre do Rio, de São Paulo e BH pra jogar com a gente. Tive então de me mudar para Belo Horizonte, e inevitavelmente me afastei do meu querido grupo, meus queridos amigos. Por sorte e ocasião do destino, vim a morar em um prédio em que havia um jogador de RPG e uma cambada de criança que conhecia o jogo. E foi aí que surgiu a semente para Violentina que só viria a germinar mais de dez anos mais tarde.

Certa vez estávamos no pilotis do prédio, a jogar aquele jogo simples de Detetive, em que você escreve Assassino, Detetive e Vitima em papeizinhos a serem sorteados e mantidos em segredo, onde o assassino consegue matar a vitima apenas com uma piscadela, e o detetive deve apenas percebê-lo para capturá-lo, lembra–se? Pois bem, ao invés de bilhetes, utilizamos cartas de baralho: Rei para o Detetive e Ás para o Assassino.

Para sanar a abstinência de jogar Lives e me divertir com o pessoal do prédio, brotou na minha cabeça uma idéia deveras interessante. Reuni a criançada toda, cerca de oito ou nove, e as chamei para uma brincadeira de Polícia e Ladrão um pouco diferente. Para dar uma temperada no jogo, e torna-lo menos enfadonho àqueles que eram somente Vitimas, criei mais dois papéis coadjuvantes: O Repórter, e A Prostituta (não me julguem, eu era adolescente na época…), respectivamente o Valete e a Dama, comparsas do Detetive e do Assassino e que possuíam poderes menores. Eles podiam dedurar seus respectivos inimigos para seus Comparsas. A pegada do jogo, se você não se lembra, era ver quem descobria quem primeiro. Ou  o Detetive capturava o Assassino ganhando o jogo, se o visse piscando, ou o Assassino matava todo mundo e ganhava ele o jogo. Com o acréscimo dos comparsas, a dinâmica do jogo potencializou-se, criando uma rede de intriga, desconfiança e paranóia divertidíssimos! Acrescente a isso, o fato de jogarmos de pé, interpretando, como em um Live. Sempre em uma situação diferente: uma festa, um concerto, uma solenidade. Usávamos arminhas de brinquedo, e durante uma cena de quinze, vinte minutos, nos divertíamos a beça. Elas adoravam.

Eu também.

Mantive esta experiência dentre minhas lembranças preferidas. Até eu redescobrir o RPG uma década depois, e minha mente começar a perturbar-se com como as coisas haviam se desenvolvido na gringa desde então.

Sempre fui fã de Tarantino. E sempre me perguntava por que ainda não havia visto nada adaptado para RPG. Ao me interar com a cena independente e absorver, entender que era possível aplicar seus conceitos, foi só somar 2 e 2. Eu tinha então minha semente para a concepção do meu jogo Tarantinesco. Obviamente eu tive de jogar, aprender e deliberadamente me inspirar em outros jogos, como Fiasco e A Penny for my Thoughts e tantos outros.

Mas o embrião para este jogo que tem em mãos, foi concebido lá, há dez anos atrás, com um bando de crianças.

Keep Thinking Outside the Box…

Garotada do pilotis

[Violentina] – Arte Interna

Olá Rolistas.

Venho atualizar o blog com o intuito de voltar a divulgar algumas das mais recentes atualizações acerca dos dois jogos que estou desenvolvendo. Hoje, só pra dar um gostinho,  segue alguns exemplos de estudos que eu tenho feito para a arte interna de ViolentinA. Dê sua opnião!

Que a chuva lave essa cidade imunda!

Você tem algo que me pertence!

Corre maluco!